Planos de Saúde: aumentos promovem nova dança das cadeiras

0
  • Por Fernanda Machado 

FernNão há setor que esteja blindado diante da atual crise econômica brasileira que, acredito, começa a dar tímidos sinais de estagnação. Parar de cair já é uma boa notícia, já que o próximo passo será voltar a crescer, ainda que esta seja uma expectativa de longo prazo. Enfim, neste cenário nada prazeroso, o brasileiro viu um setor nevráugico sofrer perdas pesadas. Trata-se dos planos de saúde, que, segundo a Agência Nacional de Saúde Complementar (ANS), até março deste ano havia perdido 1,3 milhão de usuários, sendo a maior parte como consequência da desvinculação com os planos empresariais após demissão.
No entanto, aqueles que conseguiram permanecer no plano de saúde, seja pelo sistema Por Adesão (vinculado a entidades de categorias profissionais); PME (para empresas com três ou até 99 colaboradores) ou porque se mantiveram no emprego em grandes empresas, estão amargando com reajustes que chegam a até 25% dependendo o perfil do contrato.
Aqui na Pellegrino & Machado temos assistido ao aumento da demanda por nossos clientes corporativos pela busca de soluções de negociação com as companhias de saúde ou até atendido a pedidos de migração para soluções mais econômicas. Afinal, o mercado não está fácil para ninguém e, como parte dos reajustes também é repassada para o desconto de funcionários, mesmo as grandes empresas precisam rever contratos neste momento não só para não onerar o próprio caixa, mas como forma de não levar mais perda de poder econômico ao próprio funcionário.
Como consultores nesta área da saúde complementar, o que temos a informar é que, ainda que com alguma perda de qualidade do perfil do plano de saúde, é possível promover remanejamentos sem que haja perda de cobertura dos itens principais para o beneficiário. Consultas, exames e internação são o alvo das preocupações de qualquer pessoa quando contrata um plano de saúde. Por isso, traga sua situação para nossa análise que tenho certeza que teremos uma solução profissional para seu caso. E um alerta importante: cuidado com a oferta de “milagres”, sobretudo, com uso indevido da vinculação de parentes e amigos a planos PME. Isso é crime e apenas alimenta corretores ávidos por comissões, sem se preocuparem com os danos futuros ao cliente. Conte conosco!

*Fernanda Machado é diretora comercial da Pellegrino & Machado Consultoria em Seguros e Benefícios e especialista em gestão de seguros e planos de saúde e de previdência privada para clientes corporativos e individuais.

Compartilhe.

About Author

Deixe um Comentário